Pular para o conteúdo principal

“Fui embora de Redenção porque fui perseguido e temia pela minha vida” Revela professor

Em entrevista exclusiva ao JL & Você o professor, José Alves Lordeiro, autor da letra e da melodia do Hino Oficial de Redenção, fez várias revelações inéditas sobre sua passagem pelo município. Ele está morando atualmente em Macapá capital do Amapá e, aos 67 anos, alimenta o sonho de voltar a morar em Redenção. Ele também falou como criou a letra e a melodia do hino do município redencense.

JL & VC: Como foi o processo para o senhor compor o hino de Redenção?

José Lordeiro: Em 1983 foi lançado um concurso para escolher o Hino de Redenção. Foram apresentadas 06 composições e a de Minha autoria acabou sendo a escolhida.

JL & VC: O que o inspirou na composição da letra e da melodia?

José Lordeiro: Como inspiração levei em conta: a população da época, era predominantemente de outros Estados, os neo bandeirantes, as riquezas eram a madeira- hulha verde, o ouro - nobre metal; a força do comércio fundindo-se à indústria; por fim a segurança do futuro representada pelos jovens estudantes. A melodia surgiu por acaso; base nos rudimentos de técnicas musicais aprendidas no seminário. Os arranjos técnicos foram feitos pelo professor Onésimo Lopes. É isso. Meu amigo.

JL & VC: Quando o senhor foi embora de Redenção e por quê? Como é sua vida hoje?

José Lordeiro: Passei por problemas de perseguição política. Isso me dificultou a continuação até por temer pela minha própria vida. Hoje me encontro em Macapá há 16 anos. Tenho um terreno rural e faço trabalhos de administração rural. Minha intenção é vender o terreno e talvez voltar para Redenção ou talvez Belo Horizonte.

JL & VC: Quem administrava na sua época é quem o perseguia? O senhor era professor de que matéria e em qual escola?

José Lordeiro: Eu coordenei a campanha do Gerudes Gomes pelo PDS e elegeram o candidato do PMDB apoiado pelo Jáder, Luiz Vargas. Lembrando que eu saí de Redenção em 89 e voltei em 95. Fiquei até janeiro de 99 depois da posse do Mário Moreira pelo PDT. Lecionei no Colégio Palma Muniz, Escola Irmã Gabriela e cheguei a criar em 1987 o Instituto Meirevaldo Paiva , fechado pela administração Luís Vargas em 89. Sempre fui professor polivalente. Sou formado em Química, mas lecionava até sete disciplinas, principalmente matemática, química, física, português e OSPB. Participei ativamente do projeto do asfalto, energia elétrica, Aeroporto de Redenção, criação do plano de desenvolvimento regional que resultou na criação da AMAT em 1985. Em 21 de novembro foram inaugurados os empreendimentos citados e mais o terminal rodoviário e realizada à primeira Exposição Agropecúaria  de Redenção.

JL & VC: Resume sua biografia


José Lordeiro: Nasci em 30/06/50 em Virgolãndia,  MG. Estudei o primeiro grau - no Seminário Santo Afonso em Aparecida SP. Fiz o curso técnico em Química no Instituto Lavoisier em São Paulo. Ingressei no curso de engenharia Química na Faculdade Osvaldo Cruz. Fia três semestres. Trabalhei como técnico químico na Brahma SP. Mudei-me para Redenção em 82. Comecei a lecionar na Escola Palma Muniz em 83 e na Prefeitura simultaneamente. Trabalhei na Rádio Oriente  no programa A Voz do Município. Lecionei na Escola Irmã Gabriela e criei o Instituto Educacional Meirevaldo Paiva de 87 á 89. Mudei-me para Minas em 92 onde permaneci até 95. Voltei para Redenção onde trabalhei na Prefeitura como Assessor de Desenvolvimento. Com a eleição e posse do Mário deixei a prefeitura. Fiz alguns trabalhos até vir para Macapá. Casei-me em SP em 21/11/85. Tenho cinco filhos com a primeira esposa, duas filhas com a segunda e uma com a atual. Aprendi muitas profissões: Orçamentista Civil Administrador de Obras e Rural. (João Lúcio & Você, Nossa História, Nossa Cidadania)
Professor José Alves Lordeiro, autor da letra e melodia do Hino Oficial de Redenção.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que estaria por traz do assassino da missionária Francisca

O que leva alguém que utiliza uma Bíblia, fala de Jesus, ora, prega e frequenta uma igreja a cometer um crime de uma barbaridade sem precedente? Essa pergunta está na mente de milhares de pessoas. Eu procurei algumas informações sobre esse elemento para tentar entender e resolvi escrever sobre um dos mais tristes fatos da história da nossa cidade. Quando ouvi a missionária cantar em seu facebook um lindo hino aí é que aumentou minhas indagações.   Segundo me informei, Ricardo, o assassino confesso, teria tido uma infância conturbada. Ainda criança teria sido desprezado pelos pais. Fora criado pela avó e ainda jovem teria enveredado pelo mundo das drogas e do tráfico. Depois teria se “convertido” lá pra bandas de Santana do Araguaia e depois que começara a frequentar a igreja criara um testemunho, que ninguém sabe até onde procede, de que teria tido epilepsia e que fora curado na igreja. Em Redenção depois de passar por algumas congregações, já casado, frequentava uma congregação em um b…

"Eu seria o melhor prefeito de Redenção" garante autor da primeira assinatura

Quando utilizou uma caneta para assinar o nome na primeira linha de um dos mais importantes documentos da história de Redenção, o empresário, contador e político, Mariosval Dueti Rezende Silva, talvez nem tivesse a intenção de um dia pleitear o cargo de prefeito de Redenção.   Mas além de ser o autor da primeira assinatura no Abaixo-assinado que foi fundamental para que Redenção fosse emancipada em 13 de maio de 1982, vale ressaltar que Dueti, foi quem redigiu o documento que fora assinado por Luiz Vargas e ele mesmo saiu às ruas para coletar assinaturas dos moradores. Posteriormente ele entrou para a história do município como vereador, e alguns anos depois como prefeito eleito do município filho de Redenção, Pau D’Arco. Na ultima eleição Mariosval disputou a prefeitura de Redenção. Em seu discurso ele garantia que seria o melhor prefeito da história do município. Ele baseava seu discurso na administração positiva que fizera no município vizinho, Pau D’Araco, principalmente na área da …